BNCC Matemática na Educação Infantil Episodio 09

BNCC | Matemática na Educação Infantil | Objetivo EI02ET01 | Episodio #09

Neste post vamos analisar mais um objetivo de aprendizagem e desenvolvimento proposto pela Base Nacional Comum Curricular, a BNCC, para a Educação Infantil, mais especificamente para as chamadas crianças bem pequenas, de 1 ano e 7 meses até 3 anos e 11 meses.

Objetivo EI02ET01

Explorar e descrever semelhanças e diferenças entre as características e propriedades dos objetos (textura, massa, tamanho).
Abordagem das experiências de aprendizagem

As crianças bem pequenas aprendem sobre o mundo à sua volta por meio das descobertas que fazem a partir de explorações e investigações de diferentes objetos. Cada novo objeto ou grupo de objetos que descobrem proporciona diversas explorações e enriquecem suas interações, curiosidades e interesses, favorecendo uma postura investigativa sobre o meio que as cercam. Nesse contexto, é importante que as crianças bem pequenas tenham oportunidades diversas de exploração de diferentes objetos: individualmente, em duplas, trios ou pequenos grupos; no espaço da sala, organizado de forma a desafiá-la e atraí-la em suas investigações; e no espaço externo, sensibilizada pelos diferentes elementos da natureza e a diversidade de formas possíveis de explorar. As crianças bem pequenas gostam de contar o que estão fazendo. Enquanto brincam e exploram, criam narrativas sobre suas ações e se divertem e aprendem umas com as outras ao compartilhar seus pensamentos. Nesse contexto, a escuta e a observação atenta do(a) professor(a) para suas ações exploratórias e investigativas podem apoiá-lo(a) a interagir com as crianças a partir de seus interesses e curiosidades, chamando atenção para as propriedades dos objetos (água, terra, areia, farinha etc.) e as suas características, destacando as relações e conexões que as crianças fazem, incentivando que atentem às semelhanças e diferenças e também proporcionando situações de exploração de objetos de diferentes formatos e tamanhos, utilizando o conhecimento de suas propriedades para explorá-los com maior intencionalidade — por exemplo, empilhar objetos do menor para o maior e vice-versa.
Sugestões para o currículo

Ao formular objetivos de aprendizagem e desenvolvimento específicos para o currículo, é desejável detalhar noções, habilidades, atitudes e/ou especificidades locais para cada um dos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento da BNCC. Para as crianças bem pequenas, é possível construir objetivos específicos relacionados à identificação de características dos objetos, como, por exemplo, observar e nomear alguns atributos dos objetos que exploram. O currículo pode considerar objetivos específicos relacionados à descrição e identificação de diferenças entre objetos, como, por exemplo, descrever objetos em situações de exploração ou em atividades de trios ou pequenos grupos, apontando suas características, semelhanças e diferenças, além de abordar atitudes a serem desenvolvidas, como mostrar curiosidade em exploração ou interessar-se por identificar semelhanças e diferenças entre objetos. O currículo local pode, ainda, exemplificar situações ou objetos típicos de sua cultura, que as crianças costumam usar em suas explorações, tais como areia e água — misturar areia com água; tinta – brincar com diferentes tipos de tintas; elementos da natureza – terra, lama, plantas etc.

Assista ao conteúdo deste post no vídeo a seguir!

O objetivo faz parte campo de experiências:

Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações.

O código do objetivo de hoje é EI02ET01 e o descritivo é:

Explorar e descrever semelhanças e diferenças entre as características e propriedades dos objetos (textura, massa, tamanho).

Em um mundo cheio de grandes novidades, as crianças precisam fazer explorações e investigações para descobrir como as coisas funcionam à sua volta. É impressionante como as crianças são criativas e curiosas e se interessam, inicialmente, por tanta coisa. 

À escola cabe o papel de criar oportunidades em situações de aprendizagem para que a criatividade, a curiosidade e o espírito investigativo cresçam e cresçam, cada vez mais.

Nessa faixa etária, com a oralidade um pouco mais desenvolvida, muitas crianças já conseguem se comunicar com as outras. Portanto, atividades investigativas, de exploração do ambiente, podem ser propostas em duplas ou em grupos. As crianças, assim, poderão dialogar sobre as descobertas e, assim, aprender umas com as outras. 

O faz de conta é muito presente nessa idade, então os professores devem ficar atentos às narrativas criadas pelas crianças para descrever o que estão fazendo nas atividades que, como já dito, precisam ter um caráter investigativo e exploratório. 

E aqui vem um ponto muito interessante. A partir do próprio interesse das crianças, seja em elementos do espaço da sala de aula, como também da natureza, os professores podem criar situações de aprendizagem em que as crianças deverão fazer comparações entre esses elementos.

Por exemplo, se a professora ou o professor percebem que a criança gosta de brincar com blocos, pode ser proposto a ela que organize ou guarde esses objetos, segundo algum critério, e seja encorajada a explicitar esse critério. 

Pode ser que ela prefira guardar os objetos de determinada cor, ou com determinada forma, ou de determinado tamanho, ou os mais pesados, ou pode ser que ela prefira pegar os mais leves, ou outro critério qualquer. 

No pátio ou jardim, as crianças podem ser levadas a classificar as plantas e árvores segundo atributos como: cor, tamanho, cheia de folhas ou seca, multicoloridas ou monocromáticas. No jardim também há elementos com texturas diferentes, e aí a riqueza de possibilidades é infinita: temos terra e areia secas, molhadas, a grama verde ou seca e a própria água.

A hora da alimentação também é um momento cheio de oportunidades: existem alimentos em grãos, como o feijão, o arroz e o milho. Temos as diferentes farinhas e flocos, as texturas de vegetais, pois um mesmo tipo pode ser consumido cru, cozido em pedaços ou triturado em uma sopa ou pasta.

A própria diferença e contraste de sabores, como azedo, doce, salgado, amargo, ou a temperatura – quente ou frio, também são atributos dos alimentos.

De qualquer modo, o ponto alto e a grande riqueza de oportunidades surge a partir de algo que já está no campo de interesse das crianças.

As crianças também adoram transformações. Uma das coisas mais legais que eu já vi, em uma turma de crianças do maternal, foi o dia em que, partindo das cores azul, vermelho e amarelo, as crianças descobriram uma infinidade de outras cores e tons, por meio da mistura das tintas, usando as próprias mãos. Foi uma bagunça muito bem organizada pela professora, e a cara de descoberta da criança que misturava o azul e o amarelo, e então surgia o verde, era simplesmente impagável.

Certamente, você, professor ou professora da Educação Infantil, tem muitas histórias do tipo para contar. E, se você está estudando para ou deseja trabalhar com essa faixa etária, já prepare o seu caderninho para registros de histórias, pois serão muitas!

E aí, o que você achou desse objetivo de aprendizagem e desenvolvimento?

Grande abraço! Tchau!