BNCC Matemática na Educação Infantil Episodio 10

BNCC | Matemática na Educação Infantil | Objetivo EI02ET02 | Episodio #10

Neste post vamos analisar mais um objetivo de aprendizagem e desenvolvimento proposto pela Base Nacional Comum Curricular, a BNCC, para a Educação Infantil, mais especificamente para as chamadas crianças bem pequenas, de 1 ano e 7 meses até 3 anos e 11 meses.

Objetivo EI02ET02

Observar, relatar e descrever incidentes do cotidiano e fenômenos naturais (luz solar, vento, chuva etc.).
Abordagem das experiências de aprendizagem

As crianças bem pequenas começam a aprender sobre os fenômenos naturais conforme têm oportunidades de viver diversas situações de contato com a natureza. É por meio de vivências no contato com o sol, com a chuva, com a terra molhada, com a areia seca que elas passam a se questionar sobre a diversidade e a complexidade dos fenômenos da natureza. Nesse contexto, é importante que as crianças bem pequenas tenham a oportunidade de presenciar e vivenciar fenômenos naturais, mas também de conversar sobre outros que conhecem por meio dos meios de comunicação ou pelas histórias, mitos e lendas que têm a oportunidade de escutar. Questionar as crianças, instigando suas explorações, investigações e descobertas sobre os fenômenos da natureza, propondo que observem e descrevam, por exemplo, as características e movimentos do sol, da lua, das estrelas e das nuvens, bem como das mudanças de tempo (frio e calor) em momentos de brincadeiras, em atividades individuais ou pequenos grupos também é uma forma de o(a) professor(a) apoiá-las a realizarem conexões e aprimorarem suas habilidades em formular perguntas, relacionar informações, construir hipóteses e, com isso, ampliar seus conhecimentos e suas experiências.
Sugestões para o currículo

Ao formular objetivos de aprendizagem e desenvolvimento específicos para o currículo, é desejável detalhar noções, habilidades, atitudes e/ou especificidades locais para cada um dos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento da BNCC. Para as crianças bem pequenas, é possível construir objetivos específicos relacionados aos procedimentos de pesquisa como, por exemplo, realizar investigações simples para descobrir porque as coisas acontecem e como funcionam ou usar uma variedade de ferramentas para explorar o mundo e aprender como as coisas funcionam. O currículo pode considerar objetivos específicos relacionados ao relato de fenômenos naturais, como, por exemplo, falar sobre o que se está vendo e o que está acontecendo, descrevendo mudanças em objetos, seres vivos e eventos naturais no ambiente. O currículo local pode, ainda, abordar atitudes a serem desenvolvidas, como, por exemplo, interessar-se por fazer observações simples e descobrir diferentes elementos e fenômenos da natureza (ex.: luz solar, chuva, vento, dunas, lagoas, entre outros), bem como considerar exemplos de fenômenos naturais típicos de sua região.

Assista ao conteúdo deste post no vídeo a seguir!

O objetivo faz parte campo de experiências:

Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações.

O código do objetivo de hoje é EI02ET02 e o descritivo é:

Observar, relatar e descrever incidentes do cotidiano e fenômenos naturais (luz solar, vento, chuva etc.).

Quando as crianças têm contato com a natureza, elas começam a observar que existem diferentes fenômenos com características específicas.

Esse objetivo prevê, entre outras coisas, que as crianças de fato observem fenômenos e elementos da natureza para que reconheçam algumas características climáticas como dia ensolarado e com calor, dia com muitas nuvens, chuvoso ou com muito vento, dia frio, horários em que está claro ou escuro.

A gente vai exemplificar aqui diversos elementos de observação e exploração, mas é importante que fique claro que esse objetivo, assim como os outros, prima pela valorização da atitude investigativa e criativa da criança.

Essa atitude ativa perante as situações de observação é que resultarão em grandes descobertas e na criação de conexões entre as descobertas. E essa conexão entre as descobertas é que responderá a quantidade infinita de questionamentos que existem na cabeça das crianças.

Como as crianças gostam muito de falar e contar o que fizeram ou o que estão fazendo, na medida em que narram os acontecimentos, elas podem ser levadas, pelos professores, a falarem sobre se estava fazendo sol ou chovendo naquela situação.

Uma criança que vai à praia pela primeira vez vai ficar super curiosa com o movimento das ondas, o sabor salgado das águas marinhas, a areia que, dependendo da praia pode ser clara, escura, grossa, fina, quente, fria, seca, molhada. A faixa de areia pode ser estreita ou super larga, e há até as dunas.

A criança que já nasce perto da praia terá a oportunidade de fazer essas descobertas mais cedo, certamente. 

O mar é diferente dos rios, em que as águas têm uma cor diferente e estão seguindo em uma direção. Os rios, por sua vez, são diferentes dos lagos, em que a água parece mais parada.

Tem chuva forte, que causa enchentes e inunda a cidade, mas também tem a chuva fraca. 

Tem vento tão forte que até derruba árvores ou arranca os telhados das casas, mas também tem a brisa suave. 

Por que há dias frios e dias tão quentes? Há dias em que o céu tem nuvens claras, mas há outros em que as nuvens estão tão escuras que fica todo mundo com medo de sair de casa.

Por que o horário em que a criança almoça e está na escola é dia, e a hora da janta e também de dormir é noite?

Todos esses questionamentos vão e precisam surgir a partir da observação e da oportunidade de falar sobre esses assuntos, além de criar conexões entre esses relatos e começar a formular hipóteses sobre esses fenômenos. Tudo isso ajudará a criança no desenvolvimento de suas experiências e alicerces de conhecimento.

E aí, o que você achou desse objetivo de aprendizagem e desenvolvimento?

Grande abraço! Tchau!